Gênio Indomável | Diálogos inesquecíveis

Gênio Indomável | Diálogos inesquecíveis

Gênio Indomável (1997) é perfeito em vários sentidos, mas esse em particular resume a perfeição do roteiro e beleza das atuações.

Robin Williams recebeu ao longo da carreira quatro indicações ao Oscar, venceu em 1998 como Melhor Ator Coadjuvante em Gênio Indomável. No total foram nove indicações, também levando de Melhor Roteiro. As outras foram em Bom Dia, Vietnã (1987), Sociedade dos Poetas Mortos (1989) e O Pescador de Ilusões (1991).

Dica de post: Os personagens mais famosos dos anos 90

O que torna Gênio Indomável (1997) tão especial? Claro que Matt Damon é a fio condutor, mas a sensibilidade criada por williams é um daqueles momentos especiais do cinema. A cena em questão é o primeiro passo para a aproximação entre o psicólogo Sean (Robin Williams) e o problemático Will (Matt Damon).

Sean está quebrado pela morte da esposa e Will cansado de uma vida sem sentido. Essa conversa é o primeiro passo para os dois encontrarem um motivo para continuar as sessões.

“Olho para você e não vejo um homem inteligente e confiante. Vejo um garoto convencido e assustado. ” (Sean)

Will: O que é isso? Um momento íntimo entre amigos? Bonito. Você tem tesão por cisnes? É um fetiche? Quer falar um pouco sobre isso?

Sean: Pensei no que me disse outro dia. Sobre meu quadro. Passei a metade da noite acordado, pensando. Até que me toquei de algo. Eu caí num sono profundo e não pensei mais em você. Sabe do que me toquei?

Will: Não.

Sean: Você é só um garoto, não sabe do que está falando.

Will: Ora, obrigado.

Sean: Tudo bem. Nunca saiu de Boston…

Will: Não.

Sean: Então seu eu perguntar sobre arte, vai me dizer tudo escrito sobre o tema. Michelangelo. Sabe muito sobre ele. Sua obra, aspirações políticas, ele e o papa, orientação sexual, tudo, certo? Mas aposto que não pode falar do cheiro da Capela Sistina. Nunca esteve lá mesmo, nem olhou aquele teto lindo. Nunca o viu.

Se eu perguntar sobre mulheres, talvez você me dê uma lista de suas favoritas. Já deve ter transado algumas vezes. Mas não sabe o que é acordar ao lado de uma mulher e se sentir realmente feliz.

É um garoto durão. Se eu perguntar sobre a guerra, talvez você cite Shakespare, não? “Outra vez ao mar amigos”. Mas não conhece a guerra. Nunca teve a cabeça do seu melhor amigo no colo e viu seu último suspiro, pedindo ajuda.

Se eu perguntar sobre amor, talvez me cite um soneto. Mas nunca olhou uma mulher e se sentiu vulnerável, nunca soube que alguém podia entendê-lo com o olhar. Como se Deus tivesse posto um anjo na Terra só para você, para salvá-lo do inferno. E sem saber como ser o anjo dela, como amá-la e apoiá-la para sempre, em tudo, como no câncer.

Não sabe o que é dormir sentado num hospital por dois meses segurando a mão dela, porque os médicos viam nos seus olhos que o “horário de visita” não bastava para você. Não sabe nada da perda, porque ela só acontece quando ama alguém mais do que a si próprio. Duvido que já tenha amado alguém assim.

Olho para você e não vejo um homem inteligente e confiante. Vejo um garoto convencido e assustado. Mas você é um gênio Will. É inegável. Ninguém entenderia a sua complexidade. Mas acha que sabe tudo de mim porque viu um quadro meu. Disseca a porcaria da minha vida.

Você é órfão, não é? Acha que sei como sua vida tem sido difícil, como se sente, quem você é, porque eu li Oliver Twist? Você se resume a isso? Pessoalmente não dou a mínima pra isso, porque quer saber? Não pode me ensinar nada que eu não leria num livro. A menos que você me conte sobre você, quem você é. Isso me fascinaria. Isso, sim. Mas não quer fazer isso, não é, amigo? Morre de medo do que eu poderia dizer. Você é quem sabe.

Fonte: Blu-ray Gênio Indomável, IMDB

Hugo Lamego

Publicitário - Especialista em Comunicação Empresarial | Apaixonado pelos clássicos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.