Rambo – Programado para Matar | Diálogos inesquecíveis

Rambo – Programado para Matar | Diálogos inesquecíveis

Rambo – Programado para Matar (1982) vai além das explosões, a prova é o diálogo entre Rambo e Coronel Trautman

Quando falamos em um dos diálogos inesquecíveis do cinema, Rambo – Programado para Matar parece um pouco perdido pelos motivos óbvios. A verdade é que o filme não apenas tem toda uma preocupação com o roteiro, bem como criou uma discussão sobre a forma como os americanos tratavam os soldados que retornavam do Vietnã.

“Para mim a vida civil não é nada. No campo temos um código de honra. Você cuida de mim, eu cuido de você. Aqui não tem nada.” (Rambo)

A cena em questão é entre Rambo (Sylvester Stallone) e o Coronel Trautman (Richard Crenna), funciona como um desabafo de um personagem sufocado com tantas provocações. Em outras palavras, mostrando que é capaz de revidar com questionamentos e não apenas violência. Dê uma olhada.

Rambo – Programado para Matar

Coronel Samuel Trautman: Acabou Johnny. Acabou.

Rambo: Nada acabou senhor, nada. Não se consegue parar. A guerra não era minha. Você me chamou, eu não pedi pra ir. Fiz o que tinha que fazer , mas não deixaram a gente ganhar.

Eu volto para o mundo é vejo aqueles idiotas no aeroporto, protestando e me chamando de assassino de bebes e todo tipo de besteira. Quem são eles para protestarem contra mim? Quem são eles? Se tivessem na minha pele, pelo menos saberiam porque estavam gritando.

Coronel Samuel Trautman: Foi uma época ruim, Rambo. Pertence ao passado agora.

Rambo: Para você. Para mim a vida civil não é nada. No campo temos um código de honra. Você cuida de mim, eu cuido de você. Aqui não tem nada.

Dica de Post: Sylvester Stallone – Os melhores filmes da carreira

Coronel Samuel Trautman: Você é o último de um grupo de elite. Não acabe com tudo assim.

Rambo: Na guerra eu pilotava avião, dirigia tanques e usava equipamentos de milhões. Aqui eu não arrumo emprego nem como manobrista.

O que é isso? Jesus! Meu Deus! Onde está todo mundo. Os caras. Eles eram meus amigos. Eu gostava deles. Eu tinha amigos. Aqui eu não tenho nada.

Lembra da nossa equipe no Vietnã?  Eu peguei uma daquelas coisas mágicas é disse: “Joey,achei”. E eu a envie para Las Vegas. Falávamos sempre de Las Vegas  e de um carro.  Um Chevy 58, vermelho, ele sempre falava do carro. Ele dizia que íamos rodar até os  pneus furarem…

Havia um celeiro e um garoto se aproximou. Ele estava com uma caixa de engraxate e perguntou:  “Vai graxa aí? Por favor”.  Eu disse: não.  Ele perguntou de novo , e o Joey disse “sim”. Então eu fui buscar uma cerveja. Era uma armadilha, a caixa explodiu e espalhou o corpo dele por todo o lugar…

Rambo – Programado para Matar

Ele ficou lá gritando feito um louco,  e os pedaços dele estavam em cima de min. Eu tive que empurrá-lo. Meu amigo estava espalhado em cima de min, tinha sangue por todo lado e eu tentava mantê-lo vivo…

Tentava juntar as partes dele, mas as tripas estavam saindo e ninguém podia ajudar.

Ele dizia: “Eu quero ir pra casa”. Ele ficava repetindo isso. “Eu quero ir para casa”. “Eu quero dirigir o meu Chevy”. Ninguém conseguiu encontrar  as pernas dele…

Eu não encontrei as pernas dele. Isso não sai da minha cabeça. Foi há mais de sete anos.  E todos os dias eu penso nisso. Eu não converso com ninguém.Nenhum dia, nenhuma semana. Eu não tiro isso da minha cabeça.

(Fonte: Rambo – Programado para Matar)

Hugo Lamego

Publicitário - Especialista em Comunicação Empresarial | Apaixonado pelos clássicos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *